Pesquisar este blog

domingo, 13 de dezembro de 2009

O espelho, a alma e o agora.

Neste segmento vou retomar o tema do espelho, agora, na literatura atual, e fazer alguns comentários sobre o uso do tema.
O primeiro poema postado pertence a uma poeta portuguesa, Lídia Bulcão, cujo blogue A ilha dentro de mim é um dos que curto. Aconselho a visitá-lo, clicando aqui. Nele, o leitor se depara com um eu que se olha ao espelho, fisicamente, e, como em Cecília Meireles (ver a seção anterior) vê ali uma das feições do tempo. E a palavra “feição” me parece bastante apropriada, em todos os seus sentidos. Percebe-se que o tempo se concretiza através de seus efeitos. Mais do que um rosto particular, o que ali se reflete é essa dimensão que, em última análise, submete os seres.

Em frente ao espelho

Lídia Bulcão

Sinto-me nua diante do espelho.
Vejo, mas não reconheço
a mulher que me olha com
espanto e estranheza.
Como se as rugas de expressão
pertencessem a outro rosto,
a outra vida, a outro sofrimento.

Reparo nos contornos do rosto
que sempre olhei com
a ligeireza das coisas fugazes.
Olho os vincos do tempo e percebo.
Décadas são apenas folhas caídas
do calendário colado na porta do frigorífico.


O segundo poema, já foi publicado neste blogue. Mas me pareceu bastante oportuno reconduzi-lo e comentar. Primeiro, o termo, que está sendo discutido é usado no plural. Isso cria um ambiente de inapreensão possível, o que, em poesia, é uma possibilidade fértil. Depois, a gente pode constatar que são objetos internos – “meus espelhos” – e que, ao contrário da característica primeira, eles é que são refletidos e “nas dores da alma”. A imagem poética tem seu grande efeito. Mas esse eu lírico segue derrubando a pré-imagem do espelho, quando acrescenta que “são todos quebrados”. Dessa forma, adiciona ao espelho o velho e místico sentimento do “espelho quebrado”, que carrega atrás de si todos os seus presságios. E consegue reforçar o tom plangente da voz que se analisa.

Espelhos

Viviane Arena Figueiredo

Segredos e imagens
Segregam formas,
Lembram momentos,
Refletem luz
Em estilhaços,
Em meus espelhos
Todos quebrados
E refletidos
Nas dores da alma ...


O último poema é de minha autoria e está postado, em outubro de 2009, em meu blogue Poema vivo. Gostaria de sua visita lá (clique aqui). Foi esse o poema que ensejou o comentário da Lídia: "É curioso como os espelhos despertam o fascínio das gentes, desde tempos imemoráveis."
O tratamento novo dado ao objeto é o de personalificá-lo e de se inverterem as ações: aqui é o eu que duplica o espelho, o qual se observa no rosto e se vê tomado do mesmo estranhamento daquele eu do poema da poeta de Portugal. E esse jogo de repetições vai se alternando, ora lá, ora cá. Mas ao final, o leitor sente que, de um lado ou de outro, o sofrimento da alma é o revelado.

Reflexos

Eliane F.C.Lima

Este espelho me olha assombrado
e desconhece seu rosto refletido:
não sabe de quem é o riso gelado,
não consegue ver bem o olhar sumido.

Espelho, espelho meu, que ora duplico,
espelho, espelho meu, eu lhe suplico,
não fuja , estupefato, do semblante
que é meu, posto que seu, por semelhante.

Encare a boca, aflita, também sua,
tal qual a dor perene e tão crua,
e a lágrima que a sua face molha.

Se hoje sou só eu que não sorrio,
se nesses dias sou a que não olha,
também há no espelho o que é sombrio.

4 comentários:

Sonhadora disse...

Minha querida
Poemas maravilhosos.

Sinto-me nua diante do espelho.
Vejo, mas não reconheço
a mulher que me olha com
espanto e estranheza.
Como se as rugas de expressão
pertencessem a outro rosto,
a outra vida, a outro sofrimento.

Adorei
Beijinhos

ju rigoni disse...

Eliane, vi-me um pouquinho em todos esses espelhos, inclusive nos caquinhos... rsrs

Os poemas são belíssimos, e sua análise sempre mais esclarecedora.

Agora, vou até lá, conhecer o blogue que você recomendou, da Lídia Bulcão.

Bjs e inté!

A ilha dentro de mim disse...

Eliane,
Desculpe ter demorado a reagir ao seu repto, mas tenho andado muito fugida na net. Mas gostei da sua análise e do paralelo com outros espelhos. É sempre muito bom perceber olham de fora para as linhas que escrevemos. Obrigado pela referência.
Um abraço de Portugal,
Lídia

文章 disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.